Escolinha de Surf Evandro Santos - Florianópolis  
INFO: atendimento@escolinhadesurf.com - 48 3232 7753 ou 48 99104 6867
    
 
 
  FACEBOOK - CURTIR Escola de Surf Evandro Santos - Florianópolis

Artigos


ORIGENS DO SURF | por Alex Gutenberg


Havaiano no início


Surf é o ato de deslizar sobre as ondas em direção à praia, especialmente se for sobre uma prancha. A definição é básica, porém o sentimento que este ato nos traz, desenvolve de forma individual, nosso próprio conceito para o surf. O mistério está na forma que o surf foi descoberto e desenvolvido.

Há milhares de anos, num distante oceano, bem além do que o considerado mundo civilizado europeu pudesse imaginar, pequenos grupos populacionais, que estão entre as mais antigas criaturas do planeta, escolheram como residência regiões banhadas por mares bravios, de clima tropical, quentes na maior parte do ano, de alimentação abundante, cobertas de coqueiros, onde pudessem aproveitar a vida sem as preocupações que afligiam outros povos, principalmente os brancos.

Esses primeiros imigrantes do Pacífico foram chamados de polinésios. Chegaram aquela nova região há cerca de 7 mil anos, vindos sabe-se lá de onde. Existem teorias a respeito de que eles sejam descendentes de índios peruanos que viajavam pelas correntes daquele oceano. O que se pode afirmar com certeza é que seus ancestrais foram grandes marinheiros, todos sempre amantes do mar de seus desafios e seus mistérios. Os livros de história dizem também que os polinésios eram exímios pescadores, os melhores mergulhadores do mundo e habilidosos construtores de barcos. É bastante provável que os primeiros surfistas tenham aparecido nos mares do Pacífico sul.

A necessidade de trabalhar no mar e viver dele impelia os nativos a navegarem em quaisquer condições, independente se o mar estivesse calmo ou com muitas ondas. Suas embarcações provam isso. Mostram que com o tempo eles desenvolveram barcos especiais para que pudessem voltar à terra. Não se sabe exatamente quando o trabalho se transformou em lazer. A verdade é que alguém decidiu que poderia se divertir sobre tábuas de madeira em cima de ondas. É bem provável também que eles não soubessem que estavam fazendo e, é claro, não chamavam de surf. Os escritos mais antigos datam de 1500 anos atrás.

Navegadores por opção, obrigação ou tradição, os polinésios seguramente buscavam conquistar o Pacífico de norte a Sul. Era um povo bonito, de raça amarela, cabelos lisos altos e fortes. Diferente dos vizinhos melanésios ou mesmo dos aborígenes australianos. Esses eméritos marinheiros, por necessidade ou passatempo, por volta do século X resolveram procurar novas ilhas. Encontraram um arquipélago cujas ondas – mal sabiam eles – ficariam mundialmente famosas pela sua altura e energia concentrada.

O Hawaii estava descoberto.

O rei Moikeha, do Tahiti, foi quem chegou primeiro ao arquipélago. Lenda? Talvez. Os poucos relatos e algumas canções dizem que o rei era ambicioso, aventureiro e surfista. Esteve na ilha do Hawaii, depois Oahu e finalmente Kauai onde se estabeleceu. Casou com as filhas do rei local, teve filhos e passou sua história para eles para que todos os descendentes soubessem de suas peripécias pelo Pacífico. Uma história milenar.

O surf antigo tinha profundas raízes religiosas, culturais e, de uma certa maneira, sociais. Somente os reis e suas famílias podiam surfar em pé e sem restrições. Aplebe, como em toda a parte tinha dificuldades para praticar o esporte. Com certeza era muito difícil para os mais desafurtunados conseguirem madeiras para suas pranchas. Além de encontrar a madeira apropriada, os polinésios deveriam passar por um pequeno mas delicado ritual ao cortar a árvore: um peixe vermelho deveria ser colocado e enterrado na sua base em cima das raízes. Era um sinal de respeito à natureza e a tentativa de obter boa sorte. Eram feitas de antigas árvores havainas, Koa ou Wiliwili, e atingiam 16' (16 pés) a 20' (20 pés) de comprimento.

Para perpetuar esta arte, esporte ou mesmo cerimônia, os polinésios e os havaianos decidiram transpor estes fatos para cantos e danças. Mas a impressão que se tem é de que o surf era uma festa. Algo como um congresso ou simpósio religioso-político-esportivo-cultural. Havia competições, festivais e mesmo lutas mortais por causa do surf.


 

Todos os artigos

Páginas:    [1] |



 

" Aprenda com quem realmente sabe! "